© 2019 por Grupo Affari.

Todos os direitos reservados.

GRUPO AFFARI

 

Empresa Paranaense 100% focada em vendas, atuamos com consultoria, treinamento, seleção de profissionais de vendas, terceirização de mão de obra comercial e representação.

Prantando no Lua por Rodrigo Saporiti

March 11, 2017

 

 

Há muitas histórias simples que são capazes de mexer com sua vida e sua carreira. Certa vez estive hospedado no hotel fazenda de um tio, no município de Água Doce (SC) e ouvi uma delas. Como bom anfitrião que é, Tio Alceu gosta de contar “causos” ocorridos em seus anos de experiência como fazendeiro e criador de gado. Um deles fala de um pedaço de terra que fora vendido a alguém que não se assemelhava às tradicionais famílias do lugar: um japonês.

 

Meio descrentes, os vizinhos começaram a observar que o novo proprietário também se diferenciava na maneira de utilizar a terra, deixando o pasto de lado e investindo em culturas variadas. Logo a propriedade do pequeno agricultor despertou a curiosidade de todos. Um deles não aguentou e deu uma chegada na casa do vizinho que, é claro, estava com a mão na massa:

 

– Tarde, vizinho!

– Boa tarde – respondeu o japonês com educação, mas em interromper o trabalho.

– Sabe o que é, tenho observado que a sua produção tem sido muito boa. Aliás, se você der uma olhada nessa fazenda aqui do lado...

– Japonês no olha que vizinho faz! – disse ele, em um certo tom sério, deixando claro que era avesso a fofocas.

 

Após um momento de silêncio, ainda tentando se refazer do pequeno mal-estar que ficou no ar, o fazendeiro prosseguiu:

 

– Pois é, mas é que a gente gostaria de saber se você tem algum segredinho na hora de plantar que faz a diferença? É o adubo ou é a Lua em que o vizinho planta?

– Japonês no pranta no Lua. Japonês pranta no Tera.

 

Quer dizer, ninguém nunca soube se aquela resposta era para dar um chega-pra-lá no vizinho ou o quê, mas a verdade é que daí sai um poderoso conselho para aquelas pessoas que são obsessivas, do tipo: “Se eu não mudar meu nome para Djohelll, nunca terei sucesso como artista” ou “Eu vi que tinha um gato no telhado e isso era um sinal de que não devia comprar a casa. Além do que, não estava usando meus sapatos vermelhos...”.

 

A verdade é que ficar preso aos sinais pode exercer o efeito contrário ao crescimento, sufocando o seu sucesso. Não adianta ficar esperando o melhor momento, o dia da sua vida ou o convite predestinado. Nós nascemos para levar a vida à frente, para lutar e não para ficar observando uma mecânica universal que lembra mais o trabalho das três Parcas da mitologia grega. Nada contra acreditar em numerologia ou astrologia, por exemplo, embora aqueles conselhos diários publicados em jornal com certeza não se apliquem a alguém. Ou melhor, eles se aplicam a todos os signos, ao mesmo tempo, agora...

 

Quer mais? Então deixe-me contar uma história ocorrida no mundo do jazz, comentada pelo grande autor Zig Ziglar. É uma história sobre um homem que tinha um talento verdadeiro.

Esse homem em especial tocava piano em um bar. Era um ótimo pianista. As pessoas vinham para ouvir boa música e vê-lo tocar juntamente com outros dois músicos. Entretanto, numa certa noite, um dos fregueses mais assíduos da casa pediu ao trio que cantasse uma canção de sua preferência. O trio recusou o pedido. Mas o cliente era persistente e foi ter com o bartender:

 

– Estou cansado de ouvir aquele cara tocando piano. Eu queria que ele cantasse!

 

O bartender gritou para o pianista:

 

– Ei, colega! Se você quer receber alguma coisa, cante a canção. Os clientes estão pedindo para você cantar!

 

Então ele o fez. Cantou a música. Um pianista de jazz que praticamente nunca havia cantado em público, cantou uma música que mudou sua carreira. Até porque jamais alguém havia ouvido Sweet Lorraine cantada da maneira que Nat King Cole o fez aquela noite!

 

Ele tinha um talento mais estava sentado sobre ele! Ele poderia ter vivido o resto da vida tocando em trio de jazz em clubes e bares, mas porque ele se viu obrigado a cantar, não ficou esperando os sinais, se tornou um dos artistas mais conhecidos dos Estados Unidos e até do mundo.

 

Você que trabalha com no surpreendente mundo das Vendas também tem dons e habilidades especiais. Você não precisa acreditar que o seu dom é particularmente incomparável, mas ele pode ser melhor do que você pensa! E com persistência, muitas habilidades podem ser aperfeiçoadas. De qualquer forma, você nunca demonstrará nenhuma habilidade se estiver sentado sobre seu talento, ou se estiver sempre se perguntando em que Lua plantará seu sucesso...

 

Rodrigo Saporiti é consultor e palestrante. Parceiro do Grupo Affari está presente em nossas palestras e consultorias pelo Brasil.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Práticas para remodelar o processo de vendas

February 11, 2017

1/1
Please reload

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Black Facebook Icon